PUBLI PREFEITURA DE GOIÂNIA
Logomarca
Nublado
º
min º max º
CapaJornal
Versão Impressa Leia Agora
Terça-feira. 17/09/2019
Facebook Twitter Instagram

POLÍTICA

EDUCAÇÃO

Caiado argumenta em favor da PEC da Educação e uso de recursos oriundos de depósitos judicias

Democrata diz que Governo está mostrando a realidade: “Um débito de 768 milhões que não foi aplicado pela gestão anterior”

05/09/2019 às 15h00


POR Redação

facebook twitter whatsapp

Dois projetos importantes para o Governo de Goiás estão em tramitação na Assembleia Legislativa (Alego). Ambos são alvos de polêmica entre os parlamentares da Casa. Um deles permite que o Estado utilize recursos oriundos de depósitos judicias para realização de investimentos em setores como Educação, Segurança e Saúde; outro diz respeito à inclusão do percentual destinado à Universidade Estadual de Goiás (UEG) nos gastos Constitucionais com Educação.

Sobre a tramitação dessas matérias na Casa, o governador Ronaldo Caiado (DEM) disse, em coletiva de imprensa na noite da última quarta-feira, 4, que a expectativa é de que ambos sejam aprovados e aproveitou para justificar a importância de cada um para economia goiana. Para o governador, sua gestão vai na contramão dos governos de “palanque” que, segundo ele, enganam a população. “Estamos mostrando a realidade: um débito de 768 milhões que não foram aplicados pela gestão anterior”, frisou.

Em seguida, Caiado lembrou que a verba vinculada precisa ser compatível com a arrecadação do Estado ao passo que a gestão não pode ultrapassar o teto de gastos previstos na Constituição. “Ou seja, estamos mostrando que aplicaremos os 25%, incluindo a UEG. Desta forma, faremos o que é correto”.

Sobre o uso dos depósitos judiciais, o governador destacou que é preferível que esse dinheiro seja utilizado pelo Estado ao invés de ficar parado no banco. “Entre esse dinheiro ficar depositado no banco, rendendo para o banco, é preferível que ele fique na estrutura do governo, rendendo em termos de Saúde, Segurança Pública e melhorias para Educação. Todos os Estados já fizeram”, pontuou.