PUBLI PREF GOIÂNIA CASA BRASIL 15409 e FULL
Logomarca
Nublado
º
min º max º
CapaJornal
Versão Impressa Leia Agora
Terça-feira. 21/09/2021
Facebook Twitter Instagram

POLÍTICA

GOVERNO

Bolsonaro confirma Onyx no Ministério do Trabalho e mudanças no Governo

Bolsonaro minimizou o esvaziamento do ministério da Economia, comandado por Paulo Guedes

22/07/2021 às 13h00


POR Redação

facebook twitter whatsapp

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) confirmou, em entrevista para a Rádio Banda B (PR) exibida em suas redes sociais, que recriará o Ministério do Trabalho com o nome de Ministério do Emprego e Previdência e que Onyx Lorenzoni chefiará a pasta.

A mudança já havia sido adiantada ontem pela colunista do UOL Carla Araújo. Na entrevista, Bolsonaro ainda confirmou outras mudanças nos ministérios, dizendo que “a princípio” o senador Ciro Nogueira (PP-PI) assumirá a Casa Civil, com Luiz Eduardo Ramos passando para a secretaria geral, antes chefiada por Onyx.

Segundo ele, basta que Ciro Nogueira aceite o seu convite, o que deve acontecer na próxima segunda-feira, para que as mudanças sejam oficializadas.

Na entrevista, Bolsonaro minimizou o esvaziamento do ministério da Economia, comandado por Paulo Guedes, com a criação do Ministério do Emprego e Previdência.

“Guedes tem um ministério enorme. Ele mesmo concordou em tirar essa parte para passar para esse novo ministério”, disse Bolsonaro, para quem a mudança dará uma “descompressão” em Guedes.

O presidente ainda disse que a passagem de Luiz Eduardo Ramos da Casa Civil para a secretária geral não é sinal de desprestígio. Ontem, Ramos afirmou à colunista do Estadão Eliane Cantanhêde que havia sido “atropelado por um trem” com a mudança.

“Trem seria se ele saísse do ministério. Ramos é meu amigo e continuará sendo meu amigo aqui na secretária geral”, disse Bolsonaro.

Defesa de Ciro Nogueira

Na entrevista, Jair Bolsonaro ainda defendeu a escolha de Ciro Nogueira, um representante do chamado Centrão, para o cargo de ministro da Casa Civil. Durante sua campanha eleitoral, presidente e aliados tinham entre suas plataformas um distanciamento do Centrão ao assumir o Governo.

“Não tenho como governador com 1/5 da Câmara, mas agora tenho que buscar apoio. Não tem problema nenhum colocar dentro do governo, porque é pessoa certo e adequada para conversar com senadores e deputados”, disse.

Bolsonaro ainda complementou. “Se você tem críticas aos deputados e senadores do Centrão, não vote mais neles”.