PUBLI PREFEITURA DE GOIÂNIA CORONA TOPO PREMIUM
Logomarca
Nublado
º
min º max º
CapaJornal
Versão Impressa Leia Agora
Quinta-feira. 09/04/2020
Facebook Twitter Instagram

MUNDO

GOIÁS

Goiás pode ter voos internacionais para quatro países

Redução do ICMS pode aumentar competitividade para voos no estado

27/11/2019 às 20h00


POR Redação

facebook twitter whatsapp

O governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), assinou decreto nesta terça-feira (26), que reduz o ICMS do querosene da aviação de 15 para 7%. É esperado que a medida tenha dois efeitos, o primeiro é o aumento de voos nacionais. O segundo é colaborar para a internacionalização do Aeroporto Santa Genoveva. Goiânia pode se a base de quatro roteiros para outros países.

O presidente da Goiás Turismo, Fabrício Amaral, afirma que já conversou com representantes de empresas de Portugal, Panamá, Argentina e não está descartado algum país africano, já que foi constatado contínuo fluxo de empresários para fazer compras de roupas na Rua 44, no Setor Norte Ferroviário, em Goiânia. Para Portugal, há demanda para voos Goiânia-Lisboa, já que a capital portuguesa serve como porta de entrada e saída da Europa.

“São dois fatores convergentes. Abaixar a alíquota, isso impacta diretamente nos voos internacionais. Eu conversei com a TAP, uma companhia área Portuguesa, eles fazem Brasília, São Paulo e Lisboa, eles veem com bons olhos, Portugal hoje é a uma entrada e saída muito forte da Europa e ela entra pelo Brasil e temos a probabilidade de termos vôos Goiânia-Lisboa. A gente tem esse potencial. Conversei com a Copas Panamenha, com a companhia área Argentina, e pra surpresa de muita gente, Goiânia é a capital da moda do Brasil, semanalmente há empresários africanos que semanalmente vão até a Rua 44 para fazer compras. Precisamos transformar isso em Turismo”, afirmou Fabrício Amaral.

Para os outros destinos leva-se em consideração a saturação do Aeroporto de Brasília. O Aeroporto Santa Genoveva é novo e opera com cerca de 50% da capacidade total, que é de 6,3 milhões de pessoas por ano. A meta é de iniciar a operação de voos internacionais com pelos menos dois destinos, podendo chegar aos quatro destacados acima.

“O aeroporto de Brasília está com sua capacidade quase estrangulada, nós estamos com 50% da exploração do nosso aeroporto que é novo. Regulamentando com as áreas e trazendo pelo menos dois voos internacionais, esse ano é praticamente impossível, há prazos legais, as festas de final de ano, mas 2020 a nossa meta é no primeiro semestre. Nas duas próximas semanas estarei sentando com as aéreas e vamos tentar avançar”, reforçou o presidente da Goiás Turismo.

Passo a passo

Para que ocorra a internacionalização do Aeroporto Santa Genoveva, é preciso fazer ainda algumas adaptações. No total, são 34 itens. A maior parte já cumpridos junto à Polícia Federal, Receita Federal, Anvisa e a Infraero. O superintendente do Aeroporto Santa Genoveva, explicou que nos próximos dias será instalada a esteira para colocação de bagagens específicas para voos internacionais.

“Estamos trabalhando em duas frentes, uma operacional e outra de infraestrutura. Operacional é raio x, câmera de monitoramento, balcões de informações, resta ainda a infraestrutura, pois voos internacionais tem passageiros segregados, confinamento para inspeção da Polícia Federal. Em breve estaremos anunciando a internacionalização. Em termos de aspectos operacionais são 34 itens. Estamos trabalhando para isso, é interesse da Infraero, não só da administração local, mas isso depende de uma série de fatores”, afirmou o superintendente do aeroporto de Goiânia, Antônio Sales.

A previsão do secretário de Indústria e Comércio, Wilder Morais, é que o processo de internacionalização do aeroporto seja concluído ainda em dezembro. No entanto, o início das operações de voos para outros países deve levar mais alguns meses.

“Trâmite com a Receita Federal, Polícia Federal, Anvisa e Infraero, os passos estão superados. Faltam pequenas obras, como separar as esteiras e poderemos anunciar a internacionalização. Semana que vem deve ficar pronta e darmos a notícia. A redução do ICMS do querosene ajuda a internacionalização do aeroporto, mas também para aumentarmos a quantidade de voos locais e fazer com que as aeronaves abasteçam aqui em Goiás”, ressaltou Morais.

Competitividade

O governador de Goiás, Ronaldo Caiado citou que a redução do ICMS do querosene a ser utilizado na aviação não é renúncia de receita. Que a arrecadação do Estado vai aumentar, já que aeronaves devem abastecer no estado, o que pouco ocorre, por conta da alíquota mais alta em comparação com outras unidades da federação.

Para Caiado ao aumentar a competitividade local, Goiás estará dando um passo para a internacionalização do aeroporto. Além disso, as empresas precisarão dar uma contrapartida para obter o benefício. Caso a caso será negociado.

“Queremos oportunizar mais voos para Goiânia, gerar mais empregos para Goiás, alavancar o turismo do estado, que aqui não seja apenas um ponto de pouso, mas trazer receita para o estado de Goiás, influenciando na economia e o turismo vai colher os frutos e depois os outros segmentos, como hotelaria, eventos, fazendo com Goiás”, destacou o governador.

A competitividade identificada por Caiado, também é avaliada pelo presidente da Associação Brasileira das Companhias Aéreas (Abear), Eduardo Sanovicz.

“A aviação é uma atividade global, o que não se cobra de um avião de um país quando ele sai, não se pode cobrar quando ele está aqui, em nenhum lugar do mundo existe tributo regional sobre Querosene de Aviação, em nenhum lugar do mundo se cobra ICMS. Qualquer voo de qualquer lugar para cá, não é cobrado. Vamos supor que um avião no aeroporto de Guarulhos, em São Paulo vai para Buenos Aires e outro para Fortaleza. O avião que vai para Buenos Aires paga zero de imposto. Quando o avião que vai para Fortaleza é tributado 12%. Muitas vezes o consumidor questiona a passagem aérea nacional mais cara do que a internacional por este motivo, porque o Brasil é o único país que cobra isso dos seus consumidores”, avaliou.