Logomarca
Nublado
º
min º max º
CapaJornal
Versão Impressa Leia Agora
Segunda-feira. 26/10/2020
Facebook Twitter Instagram

GIRO ECONÔMICO | Ana Flávia Marinho

ECONOMIA

GIRO ECONÔMICO - 10 De Agosto De 2020

10/08/2020 às 11h18


POR GIRO ECONÔMICO | Ana Flávia Marinho

facebook twitter whatsapp

Trabalho

Após preencher oito vagas no mês de julho, a Brasal Incorporações oferece mais nove postos de trabalho na obra do Reserva Parque Areião, localizada na esquina da Alameda Coronel Joaquim de Bastos com a Alameda Coronel Antônio Jardim, no Setor Marista, em Goiânia. Interessados poderão deixar os currículos no local das 7h às 17h. As vagas são para as seguintes funções: uma para carpinteiro, uma para eletricista, uma para encanador, uma para auxiliar de almoxarifado, uma para estagiário de segurança e quatro para ajudante geral.

 Agronegócio

De acordo com dados divulgados na última quinta-feira, 6 de agosto, pelo Ministério da Economia, por meio do Comex Stat, o agronegócio foi o segmento que dominou as exportações goianas em julho. Do total de US$ 799,3 milhões em exportações no mês passado no Estado, 79,6% foram do agro, o que equivale a US$ 636,3 milhões. No acumulado de janeiro a julho, o índice do agro é ainda maior, com 81,1% das exportações totais goianas. Isso representa mais de US$ 3,9 bilhões do total exportado em Goiás, que foi de mais de US$ 4,9 bilhões. A análise foi feita pela Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa). Entre os destaques positivos de exportação referentes ao agro, em julho, estão complexo soja, com US$ 357,8 milhões, crescimento de 39,2% em relação a julho de 2019; carne bovina, com US$ 134,7 milhões, aumento de 74,4% em comparação ao mesmo período do ano passado; e o café, que registrou crescimento de 529,3% em relação a julho de 2019, com US$ 4,2 milhões exportados. No acumulado do ano, ou seja, de janeiro a julho deste ano, as maiores taxas de crescimento de exportação do agro foram registrados no café, com aumento de 1.776,4% se comparado ao mesmo período de 2019, com mais de US$ 18,5 milhões; carne suína, com US$ 7,4 milhões e aumento de 173,8% em relação a janeiro e julho do ano passado; e complexo soja, com 40% de crescimento e US$ 2,6 bilhões.

 Cesta básica

De acordo com o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), no mês de julho, o custo da cesta básica caiu em 13 das 17 capitais analisadas. A cesta básica mais cara encontrada foi a de Curitiba, onde o preço médio estava em torno de R$ 526,14; seguida por São Paulo, com custo médio de R$ 524,74. A cesta mais barata era a de Aracaju, com preço médio de R$ 392,75. Em Curitiba, o preço da cesta cresceu 3,97%, o que também ocorreu em Florianópolis, com crescimento de 0,98%, Campo Grande, 1.01%, e Recife crescimento de 0,18%.