Logomarca
Nublado
º
min º max º
CapaJornal
Versão Impressa Leia Agora
Terça-feira. 05/07/2022
Facebook Twitter Instagram

ECONOMIA

ICMS

Goiás defende congelar o ICMS sobre combustíveis por mais três meses

O chefe do Executivo estadual foi representado na reunião pela secretária de Economia, Cristiane Schmidt. Em Goiás, o congelamento está em vigor desde novembro do ano passado, o que faz com que o estado deixe de arrecadar cerca de R$ 40 milhões por mês

23/03/2022 às 18h30


POR Redação

facebook twitter whatsapp

O Governo de Goiás defendeu, nesta terça-feira (22), no 10º Fórum de Governadores, a manutenção do congelamento do ICMS sobre os combustíveis por mais 90 dias, até o mês de junho. Anteriormente, o congelamento terminaria em 1º de abril.

A decisão atinge a gasolina comum, o etanol, o biodiesel e o gás de cozinha. A intenção é impedir aumentos de preços direto ao consumidor. “Goiás abre mão de receita para auxiliar o cidadão. Vamos continuar mantendo essa posição”, ressalta o governador Ronaldo Caiado que liderou, ainda em 2021, a ação junto aos demais Estados.

O chefe do Executivo estadual foi representado na reunião pela secretária de Economia, Cristiane Schmidt. Em Goiás, o congelamento está em vigor desde novembro do ano passado, o que faz com que o estado deixe de arrecadar cerca de R$ 40 milhões por mês.

O ICMS em Goiás que está sendo cobrado sobre o preço fixo no litro da gasolina comum é de é de R$ 6,5553; do óleo diesel, R$ 4,9876; gás de cozinha, R$ 8,0400 o quilo; e etanol hidratado, R$ 4,7720. Os preços dos combustíveis tomados como base para o congelamento estão fixados bem abaixo dos preços de mercado praticados pelas bombas de gasolina em Goiás.