PUBLI PREF GOIÂNIA CASA BRASIL16161
Logomarca
Nublado
º
min º max º
CapaJornal
Versão Impressa Leia Agora
Quarta-feira. 01/12/2021
Facebook Twitter Instagram

ECONOMIA

INFLAÇÃO

Como a inflação alta impacta o emprego, a renda e a economia

O Brasil, como boa parte dos países, possui um sistema de metas para a inflação e, para 2021, essa meta é de 3,75% – ou seja, bem para trás de onde está o IPCA atualmente

08/10/2021 às 18h00


POR Redação

facebook twitter whatsapp

Que a inflação está alta o brasileiro já sabe, e os números comprovam. A prévia do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) dos últimos 12 meses já chegou aos 10% e é um dos maiores em anos.

E não é só para o bolso que a inflação alta traz impactos. Subidas de preços muito fortes e persistentes geram uma série de distorções – de imprevisibilidade nos negócios a piora do bem-estar das pessoas – e que, em última instância, travam a economia e derrubam o crescimento do país. Menos crescimento significa também menos emprego e menos renda.

“É bom ter alguma inflação. Inflação zero é ruim, significa que os preços não estão subindo, mas a renda das pessoas também não”, disse o economista Heron do Carmo, professor sênior da Faculdade de Economia e Administração da Universidade de São Paulo (FEA-USP) e especialista em inflação.

“O ideal é ter a inflação controlada em um nível baixo. Para o Brasil, uma taxa na casa de 3% está ótimo. Mas, quando ela chega perto dos 10%, já começam a haver distorções.”

O Brasil, como boa parte dos países, possui um sistema de metas para a inflação e, para 2021, essa meta é de 3,75% – ou seja, bem para trás de onde está o IPCA atualmente.