Logomarca
Nublado
º
min º max º
CapaJornal
Versão Impressa Leia Agora
Sábado. 27/02/2021
Facebook Twitter Instagram

ECONOMIA

PETROBRAS

Ações da Petrobras desabam quase 20% e dólar salta acima de R$ 5,50

Movimentação negativa do mercado financeiro surge em meio a temores com suposta interferência do governo na Petrobras

22/02/2021 às 12h30


POR Redação

facebook twitter whatsapp

As ações da Petrobras desabam quase 20% no início do pregão desta segunda-feira (22) em meio a temores de interferência do governo na empresa após o anuncio da substituição do atual presidente da estatal, Roberto Castello Branco.

Às 10h40, os papéis preferencias da Petrobras (PETR3) lideravam as perdas do índice, com queda de 19,11% e negociados a R$ 21,92. Já as ações ordinárias (PETR4) caiam 19,39%, a R$ 22,03. 

Somente nos primeiros minutos do pregão, a Petrobras perdeu mais de R$ 60 bilhões em valor de mercado. A estatal tem peso de 10% da carteira do Ibovespa. Na sexta-feira (19), os temores já haviam resultado na perda de R$ 32 bilhões.

A movimentação das ações da companhia puxava a queda de 5,23% do Ibovespa no momento, o que faz o índice figurar abaixo dos 113 mil pontos. O dólar, por sua vez, salta quase 2,5% e é comercializado a 5,516.

Em conversa com apoiadores nesta manhã, o presidente Jair Bolsonaro voltou a negar a tentativa de interferência na política de preços da Petrobras e disse exigir apenas "transparência e previsibilidade" da companhia.

A cautela dos investidores ocorre depois de Bolsonaro anunciar a indicação do general Joaquim Silva e Luna para assumir os cargos de conselheiro e presidente da Petrobras no lugar de Roberto Castello Branco, em meio a inúmeras falas de insatisfação com a política de preços adotada pela companhia para reajustar o preço dos combustíveis.

"As declarações recentes do presidente acendem um enorme sinal amarelo — senão vermelho ao cenário político local", afirmou o estrategista Dan Kawa, da TAG Investimentos, em comunicado a clientes. "Devemos ter uma segunda-feira de enorme pressão negativa nos ativos locais, na ausência de uma mudança de postura do governo federal", observou Kawa.