PUBLI PREFEITURA DE GOIÂNIA CORONA TOPO PREMIUM
Logomarca
Nublado
º
min º max º
CapaJornal
Versão Impressa Leia Agora
Sexta-feira. 29/05/2020
Facebook Twitter Instagram

NOTÍCI@PURA | Divino Olávio

POLÍTICA

Coluna Noticia Pura - 10 De Dezembro De 2019

10/12/2019 às 09h39


POR NOTÍCI@PURA | Divino Olávio

facebook twitter whatsapp

Previdência estadual, mais que uma necessidade

Um dos maiores gargalos da administração pública estadual em praticamente todas as unidades da Federação é o desequilíbrio no setor previdenciário. Resultado da atuação de gestões pouco zelosas nas últimas três décadas, que com base na realidade atual, a dedução é que estiveram mais preocupadas em garantir à reeleição de governantes mais interessados em se perpetuar nos cargos, do que servir à coletividade. Com isso, nomearam em excesso, deram aumentos e vantagens desmedidas a servidores públicos sem pensar nas consequências, como se a administração fosse capaz de resistir a tanto, por tanto tempo. Como se não houvesse um limite para a farra de gastos nessas últimas décadas, sem o risco de um dia chegar ao fundo do poço. Com isso, até as maiores administrações do País se afundaram em dívidas, ampliando o quadro de desequilíbrio nas contas do setor previdenciário, a exemplos de Minas Gerais, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul. Em Goiás, Estado assumido por Ronaldo Caiado, em janeiro, a situação não é diferente. Conforme dados divulgados recentemente pela Secretaria de Economia, a soma de tudo que se arrecada aqui para cobrir os gastos com a previdência já foi ultrapassada pela soma dos gastos no pagamento de aposentadorias, pensões e inativos em geral. Daí, a situação de insustentabilidade em que se tornou o setor de previdência no Estado.   

Por isso, a aprovação do projeto de reforma da Previdência, encaminhado por Caiado à Assembleia Legislativa, não ser mais possível adiar. É urgente sua aprovação para aliviar o caixa do Tesouro, pra ver se sobra algum dinheiro para financiar investimentos em áreas importantes, para atender a demandas da população, como segurança pública, educação e saúde, por exemplo. O projeto está tramitando na Assembleia e dever ir à apreciação dos deputados em plenário, o mais rapidamente possível.

Mas segundo avaliação de deputados ouvidos pela coluna, a tendência e aprovação da matéria sem maiores dificuldades. A impressão que se percebe no dia a dia dos goianos é que a própria população já tem conhecimento do estado de gravidade das finanças estaduais assumidaa por Caiado, principalmente no setor de desequilíbrio da previdência. E esse conhecimento da população da situação de insustentabilidade das finanças goianas faz refletir no comportamento dos deputados, levando-os a apoiar o projeto de reforma nessa área.

Por onde anda?

 Sérgio Cardoso, sempre tão animado com a articulação política, antes de virar conselheiro do Tribunal de Contas dos Municípios (TCM). Cunhado do ex-governador Marconi de Marconi Perillo, Sérgio Cardoso coordenava as ações do governo estadual nos municípios, principalmente em anos de eleições municipais. Com atenção especial na eleição de Guapó, onde o irmão Cleomar Cardoso já foi eleito prefeito.

Anda sumido

 Antônio Faleiros, ex-secretário de Saúde e mais poderoso integrante do governo de Henrique Santillo e ex-deputado federal pelo PSDB, na década de 90.

Caiado ao pé do ouvido

Com a habilidade e a discrição adotadas pelos políticos bem sucedidos no exercício da atividade, o governador Ronaldo Caiado vem conversando com alguns dos melhores nomes da política estadual, o que pode desaguar na reunião do maior agrupamento partidário do Estado ao seu lado, em 2022. A ex-senadora Lúcia Vânia já desempenha importante papel em uma das pastas mais importantes do governo, a Secretaria de Cidadania. Em entrevista a essa coluna há duas semanas, o ex-deputado Roberto Balestra (PP), que apoiou o tucano Zé Eliton em 2018, não descartou a possibilidade de ainda vir a fazer política com Caiado no futuro, ao lado de quem lembrou que sempre fez política; e o PP oficializou sua ida para a base, com compromisso de compor a chapa majoritária do democrata, na eleição de 2022. Mas estejam certos de que ainda tem mais gente importante da política estadual já sendo observada pelo caiadista.  

 Reforma 1

Pintou clima de reforma na equipe do governador Ronaldo Caiado, com possibilidade de substituições e remanejamentos, na virada do ano.

 Reforma 2

Não estão descartados também ajustes na equipe do prefeito de Goiânia, Iris Rezende, embora com volume bem menor que o desenhado na equipe do governador. É o que prevê um vereador na capital.

Áudios criticam convenção do MDB

Vêm circulando na internet nesses últimos três áudios gravados supostamente por militantes do MDB, com pesadas críticas à convenção do partido, realizada sábado no Centro de Convenções.  São críticas ao baixo comparecimento de lideranças e de militantes, fatos por eles atribuídos principalmente à condução do partido. Embora não haja identificação de quem fala, parece se tratar de pessoas com muito conhecimento sobre o partido.  

Adib no governo

Há especulação no meio político de que o prefeito de Catalão, Adib Elias (sem partido), pode trocar a candidatura à reeleição para assumir pasta na equipe do governo de Ronaldo Caiado. Caso seja confirmada essa reengenharia política, um nome da base aliada de Caiado que vem aparecendo bem em pesquisas de consumo interno, segundo informação obtida pela coluna, é o do atual vice-presidente da Agehab, Luiz Sampaio, que disputou a eleição para a Assembleia Legislativa em 2018. Luiz Sampaio é também vice-presidente do PTB em Goiás.

Sinais de fadiga

O surgimento de nomes novos no cenário político de Catalão, a exemplo do que vem ocorrendo em relação a Luiz Sampaio já podem ser sinais de fadiga na dicotomia Adib Elias x Jardel Sebba, que há anos domina as disputas no município? Há quem avalie que sim, com o argumento de que o povo catalano pode ter chegado à conclusão de que restringir a política no município a dois políticos apenas – aliás a dois primos – não é mais compatível com o “banho de modernidade” que a cidade vem experimentando nos últimos anos. “Restringir a vida partidária de Catalão a dois líderes políticos só interessa a ales, por melhores que sejam ou por mais que já tenham feito para o município”, resumiu um ex-deputado da região.