PUBLI PREFEITURA DE GOIÂNIA DENGUE
Logomarca
Nublado
º
min º max º
CapaJornal
Versão Impressa Leia Agora
Terça-feira. 16/07/2019
Facebook Twitter Instagram

NOTÍCI@PURA | Divino Olávio

POLÍTICA

Coluna Noticia Pura - 08 De Maio De 2019

07/05/2019 às 21h26


POR NOTÍCI@PURA | Divino Olávio

facebook twitter whatsapp

Goiás pode receber até R$ 8 bis ainda nesse ano

A falta de dinheiro no governo para quitar a folha de dezembro de uma só cajadada é fato. Idem para tapar a buraqueira nas rodovias, reformar eequipar hospitais com a agilidade que exigem as demandas da população, a exemplo do Materno Infantil, sem contar a implantação das 17 policlínicas que serão espalhadas pelo Estado, prometidas na campanha. Mas e os recursos para suportar tudo isso? Segundo informação obtida pela coluna junto a uma fonte próxima do governador Ronaldo Caiado, democrata de alma e de raiz, Caiado está com uma “carta na manga”, ainda não colocada sobre a mesa, que se tudo correr dentro das expectativas e com a ajuda do Divino Pai Eterno, deixará a oposição e os ex-governadores dos últimos 30 anos, com “água na boca”, pelo montante que pode começar a chegar no mês de julho. Tratam-se, além dos cerca de entre R$ 2,5 a R$ 3 bis, provenientes da contratação de novos empréstimos a serem autorizados pelo Tesouro, da indenização pela União, dos investimentos feitos pelo Estado na região Norte na parte que ficou com o Estado de Tocantins, criado pela Constituição de 1988. Estima-se que o valor atualizado dessa indenização fique entre R$ 4,5 e R$ 5 bilhões. Ou seja, a soma do valor da indenização com o valor proveniente do empréstimo poderá beirar R$ 8 bilhões. Detalhe importante, segundo a informação obtida pela coluna, o presidente Jair Bolsonaro assumiu o compromisso com Caiado, de atender a esse pleito de efetivar a indenização ao Estado. O leitor já imaginou o volume de obras e investimentos em vários projetos que dá para fazer com R$ 7 bilhões?

Todos tentaram

É bem verdade que essa indenização ao Estado de Goiás pelos investimentos feitos em Tocantins foi uma luta de todos os governadores a partir de 1988 e nenhum deles obteve êxito nessa busca. Mas é também verdade que nenhum deles teve condições políticas tão favoráveis quanto à de Caiado, agora, com o governo de Bolsonaro.

Maior soma

Agora, de um lado está o governador goiano de maior prestígio e reconhecimento nacional das últimas décadas, de outro, o Presidente da República cuja base de apoio tem também no governador uma de suas mais expressivas figuras. Com a ajuda e o apoio sincero da classe política goiana, pode ser que Goiás esteja perto de receber, muito provavelmente, a maior soma de recursos para investir, de uma única vez.

Marconi disposto a enfrentar Iris em Goiânia, em 2020

Mesmo sob o foco da “lupa” do governo Caiado, que vem levantando tudo o que fez e como fez, durante os seus mandatos de governador nos últimos 20 anos, além de uma cambulha de investigações e processos judiciais em andamento, o ex-governador Marconi Perillo (PSDB) vem manifestando, em conversas com amigos, a disposição em sair candidato a prefeito de Goiânia, em 2020. E sua principal alegação para isso, segundo um assessor próximo, é a preocupação com o grande número de seguidores dispersos à procura de um líder para seguir. Daí, a disposição em oferecer “ombros e lenços” aos seus seguidores recém-apeados do poder. Em síntese, é o receio de que sem um líder para seguir, essas pessoas possam ser acolhidas em “colos” adversários. 

Vai longe 

O imbróglio estabelecido no MDB entre o “clã Vilela” e o grupo de dissidentes que apoiou Caiado para o governo em 2018, liderados pelo prefeito Adib Elias (Catalão), por conta da Convenção que reelegeu Daniel presidente estadual do partido, ainda vai longe. A Justiça anulou a Convenção na última quinta-feira. Daniel promete recorrer.  

Aliado de Temer

Enquanto isso, há semanas que dorme numa gaveta do Diretório Nacional do MDB, em Brasília, um pedido de anulação da Convenção. Falta a decisão do presidente da sigla, Romero Jucá (AC), que chegou a sinalizar com a anulação da convenção. Entretanto, não se deve acreditar muito que isso ocorrerá. Acontece que como se sabe, a forte ligação de Daniel Vilela com o ex-presidente Michel Temer, que pode levar o partido a ficar do lado de Vilela. Foi graças a Daniel, em boa parte, como presidente da CCJ na Câmara, que todos os pedidos de abertura de investigação criminal contra Michel Temer foram barrados na Casa, até o encerramento do seu mandato em dezembro. Sem mandato agora, todos os pedidos de investigação contra o ex-presidente vem se transformando em réu.

Esquecimento 1

Por falar em Marconi Perillo, nas conversas do dia a dia com os chamados “marconistas de carteirinha”, percebe-se certa preocupação com o futuro do tucano nesse momento. Já o mesmo já não acontece em relação ao ex-governador José Eliton, que foi o candidato do PSDB ao governo nas eleições passadas.

Esquecimento 2

Aliás, a impressão que fica é que mesmo tendo sido vice-governador por dois mandatos e governador por nove meses, Zé Eliton parece ter sido esquecido pelos correligionários. Zé Eliton, vale lembrar, apareceu bem posicionado numa pesquisa feita em março, por um grande instituto para prefeito de Goiânia,  em 2020, divulgada nessa coluna.

Iris lança obras

“Chutando latas”, de felicidades pela montanha de dinheiro que conseguiu reunir nos cofres da prefeitura, depois de passar a primeira metade do mandato “lambendo embiras”, como se diz no linguajar entre peões no interior, o prefeito Iris Rezende faz hoje à noite o lançamento do asfalto no Setor Vale dos Sonhos II. Na parte da manhã, ele entrega escrituras aos moradores do Setor Grande Retiro. O ato será realizado no Paço Municipal. A meta de Iris Rezende (foto) é pavimentar 31 bairros que ainda não contam com o benefício.

Igreja critica reforma

Se já estava difícil convencer 308 deputados votar a favor do projeto de reforma da Previdência em plenário, com a manifestação da Igreja Católica, por meio de nota do Conselho da CNBB, divulgada ontem à tarde, é provável que o trabalho de convencimento de vários parlamentares seja ainda mais árduo, daqui pra frente. Segundo o documento da entidade, “a PEC 06/2019 sacrifica os mais pobres, penaliza as mulheres e os trabalhadores rurais, e clama por valores ético-sociais e solidários”.