PUBLI PREF GOIÂNIA CASA BRASIL16161
Logomarca
Nublado
º
min º max º
CapaJornal
Versão Impressa Leia Agora
Quarta-feira. 01/12/2021
Facebook Twitter Instagram

MOMENTO POLÍTICO | José Luiz Bittencourt

POLÍTICA

Coluna Momento Político - 14 De Outubro De 2021

14/10/2021 às 06h00


POR MOMENTO POLÍTICO | José Luiz Bittencourt

facebook twitter whatsapp

ROTEIRO PARA A CONCILIAÇÃO ENTRE DANIEL VILELA E ADIB ELIAS JÁ ESTÁ TRAÇADO: CAIADO É O CONDUTOR

A conciliação entre o presidente estadual do MDB Daniel Vilela e o prefeito de Catalão Adib Elias já tem roteiro definido e, na prática, está sendo orientada pessoalmente pelo governador Ronaldo Caiado. O processo, aliás, começou com a demorada visita que Caiado fez a Adib, com o qual passou da mais metade do dia, apenas, ele, o governador, e o prefeito, além das primeiras-damas Gracinha Caiado e Adriety Elias, em um encontro há poucos dias em Catalão. Não haverá grandes novidades: uma vaga de importância será aberta na equipe do governo do Estado para Adriety, provavelmente a Secretaria de Desenvolvimento Social, lembrando que ela tem cacife para o cargo na medida em que exerceu mandato de deputada na Assembleia e, nos três mandatos do marido, o comando da área de assistência social na prefeitura catalana. Adib terá também o privilégio de ganhar o controle do MDB local e nas cidades circunvizinhas, reforçando seu projeto para a eleição de um deputado estadual da região – que será Leovil Jr., filho do ex-prefeito de Catalão Leovil Evangelista. A contrapartida, para Daniel Vilela, será simples: visitar e render homenagens a Adib, além de garantir a ele o controle do MDB na região e recebê-lo de volta, se o prefeito quiser, com tapete vermelho estendido.

PREFEITOS EXPULSOS DO MDB EM 2018 JÁ PODEM SER CONSIDERADOS REINTEGRADOS

Todos os cinco prefeitos que Daniel Vilela, em um momento que hoje até ele mesmo reconhece como infeliz, expulsou do MDB, já estão alinhados com a chapa liderada pelo governador Ronaldo Caiado em 2022, com o filho e herdeiro de Maguito Vilela na vice. Paulo do Vale, de Rio Verde, e Fausto Mariano, de Turvânia, estão ajustados, sem maiores problemas. Renato de Castro, de Goianésia, hoje na presidência da Codego, ainda não bateu o martelo, mas ninguém acredita que vá criar problemas. Adib Elias, de Catalão, o maior destaque do grupo, levará o maior prêmio, com a nomeação da sua mulher Adriety Elias para a pasta social do governo do Estado ao abrir os braços para Daniel Vilela. E, finalmente, Ernesto Roller, de Formosa, no momento secretário estadual de Governo, que muitos imaginam pré-candidato a deputado estadual, mas na verdade destinado a uma vaga em um dos dois tribunais de contas e, portanto, fora da política eleitoral no ano que vem.

VEJA A RAZÃO DO ENCONTRO DE MEIRELLES COM GUSTAVO MENDANHA

O encontro entre Henrique Meirelles e o prefeito de Aparecida Gustavo Mendanha tem uma lógica: Meirelles quis dar uma resposta para os constantes ataques que sofre do deputado federal Zacharias Calil, do DEM, que vive repetindo não ver nenhum serviço prestado a Goiás pelo ex-ministro, menos ainda algum capaz de justificar a sua eleição para o Senado. Acredita ele que o governador Ronaldo Caiado, se quisesse, poderia convencer Zacharias, que também é pretendente ao Senado, a suspender a hostilidades. Essa, daqui em diante, será uma recorrência na vida de Mendanha: a sua utilização como instrumento para enviar recados a Caiado, ou seja, se alguém tiver alguma insatisfação com o governador, vai procurar o prefeito aparecidense para sinalizar algum tipo de mensagem para o Palácio das Esmeraldas.

LISSAUER SERÁ A ÚNICA RENOVAÇÃO DA ELEIÇÃO PARA DEPUTADO FEDERAL

Pela primeira vez, em décadas, a eleição para deputado federal em Goiás, no ano que vem, não trará nenhuma novidade ou renovação, com a honrosa exceção do presidente da Assembleia Lissauer Vieira – hoje caminhando para ser o único nome de reoxigenação para a disputa. E, atenção, o PT, que enfraqueceu terrivelmente nos municípios, pode perder a única vaga de que dispõe hoje, com as dificuldades que se anteveem para a reeleição de Rubens Otoni. Até mesmo em Anápolis, o partido fragilizou-se, depois da derrota de Antônio Gomide na eleição municipal passada. A esperança que resta para os petistas é pegar carona na campanha de Lula da Silva, mesmo sabendo que no Estado, tradicionalmente, o petista nunca foi bem votado.

O EQUÍVOCO DE JÂNIO DARROT: QUERER SER GRANDE EM UM PARTIDO NANICO

O empresário e ex-prefeito de Trindade Jânio Darrot experimenta na própria carne as agruras da opção – equivocada – por um partido político nanico, no caso dele o Patriota, que ele escolheu influenciado pelo marqueteiro Jorcelino Braga com a promessa de que seria candidato a governador na legenda que acolheria o presidente Jair Bolsonaro e a partir daí ganharia impulso. Darrot fez a sua carreira no PSDB, um partido grande, ainda que no momento fragilizado em Goiás. Ao saltar para o Patriota, comprometeu o seu futuro, tornando-se “nanico” também. Partidos assim são o mesmo que partidos de aluguel. Geralmente, propriedade privada de alguém que só decide motivado pelos seus interesses pessoais, caso, no Estado, de Braga, presidente e dono da sigla, cujos papeis cabem em uma pasta que ele carrega debaixo do braço.

POLÍTICA ESTADUAL DEVE ENTRAQR EM PROCESSO DE CALMARIA ATÉ FEVEREIRO

Daqui para o final do ano e depois até o carnaval, é possível que a política estadual venha a passar por um período de calmaria. De um lado, o governador Ronaldo Caiado intensificando o seu trabalho de gestão, percorrendo os municípios para entregar obras e programas, além de anunciar investimentos – para o quê se encontra à vontade diante da espetacular recuperação fiscal do Estado e do montante que começa a sobrar nas arcas do tesouro. De outro lado, a oposição se movimentando em busca de um milagre capaz de aglutinar pelo menos a maior parte das suas forças, hoje esvaziadas pela desoxigenação provocada pela aliança entre o União Brasil e o MDB – sem esse último, será difícil arrumar um candidato viável para enfrentar a reeleição de Caiado no ano que vem.

VILMAR ROCHA TEM UMA QUEDA NATURAL POR MARCONI E CONTINUA PRÓXIMO

O presidente estadual do PSD Vilmar Rocha provavelmente vai negar, mas discute com intensidade cada vez maior com o ex-governador Marconi Perillo a formação de uma frente de oposição ao governador Ronaldo Caiado, em 2022. Se é verdade que o uso do cachimbo entorta a boca, como diz o ditado popular, o fato é que Vilmar Rocha tem, digamos assim, uma queda natural por Marconi, característica que adquiriu nos quase 20 anos de vigência do Tempo Novo, do qual foi uma das estrelas e no final de tudo o arauto que anunciou a derrocada do poder tucano, apesar de alinhado até o último dia com o PSDB e suas gestões, talvez melhores a princípio, mas no final simplesmente desastrosas.

EM RESUMO

  • O União Brasil, produto da fusão DEM-PSL, nasce em Goiás com a expectativa de eleger entre 7 e 9 deputados federais na eleição do ano que vem. O mais votado, claro, seria o Delegado Waldir.

 

  • O novo partido espera a adesão de Lucas Vergílio, Francisco Jr., Lissauer Vieira, Glaustin Fokus e José Nelto. Eventualmente, também pode se filiar o deputado federal Célio Silveira, hoje no PSDB.

 

  • Confirmando a recuperação da saúde financeira do Estado, o governador Ronaldo Caiado já potencializou os investimentos em obras, que, no ano que vem, deverão bombar em ritmo exponencial.

 

  • Já neste ano de 2020, em comparação aos dois primeiros anos do mandato de Caiado, a disponibilização de recursos para investimentos em Goiás foi quintuplicada e continua crescendo sem parar.

 

  • Que ninguém se iluda: o PSDB fala em candidatura própria a governador de Goiás, mas não tem nome nenhum para isso. O partido espera, na última hora, ser aceito por Gustavo Mendanha.

 

  • Prestes a assumir a vaga de Humberto Aidar, na Assembleia, o secretário de Infraestrutura de Aparecida Max Menezes já sabe que vai viver um calvário diante das pressões para se juntar à oposição.

 

  • Assim como o seu pai, o ex-prefeito Ademir Menezes, Max não tem vocação para o combate ou a destruição. Seu perfil é conciliador e seu desejo, ao virar deputado, é se situar como independente.

 

  • O deputado federal José Nelto viajou no helicóptero do presidente Jair Bolsonaro e ouviu de viva voz que há intenção de lançar com um candidato ostensivamente bolsonarista a governador em Goiás.

 

  • Tudo indica que esse candidato será o atual deputado federal Major Vitor Hugo, que caminha para se filiar, com Bolsonaro, ao PP e ganhar o controle do partido no Estado. Problemão para Alexandre Baldy.