PUBLI PREF GOIÂNIA CASA BRASIL 15409 e FULL
Logomarca
Nublado
º
min º max º
CapaJornal
Versão Impressa Leia Agora
Terça-feira. 21/09/2021
Facebook Twitter Instagram

CIDADES

GOIÁS

Lei que proíbe venda e fabricação de cerol em Goiás é sancionada com multa até R$ 4 mil

Uso do material cortante em áreas com movimentação intensa de veículos e pessoas agrava punição em 100% do valor aplicado

13/09/2021 às 15h00


POR Redação

facebook twitter whatsapp

A lei que proíbe venda e fabricação de cerol em Goiás foi sancionada pelo governador Ronaldo Caiado (DEM). O texto também proíbe uso nas linhas de pipa e distribuição do produto. Uso da mistura pode culminar em multa de até R$ 4 mil.

A intenção é fazer diminuir o número de mortes e acidentes graves provocados por linhas cortantes no estado. O projeto foi aprovado pelos deputados estaduais no dia de 18 de agosto, por unanimidade, com 25 votos favoráveis.

Venda e fabricação de cerol em Goiás: quais outros itens estão proibidos?

Os materiais que devem ser proibidos, de acordo com o texto da lei, são:

  1. Cerol – entendido como o produto originário de cola em conjunto com vidro moído ou material cortante de qualquer natureza;
  2. Linha chilena – que é a linha, fio ou barbante coberto com óxido de alumínio, silício e quartzo moído;
  3. Linha indonésia – linha, fio ou barbante coberto por cola ciano acrilato, popularmente conhecida como “super bonder” e carbeto de silício ou óxido de alumínio.

Além desses materiais citados, a lei proíbe a comercialização e depósito de qualquer outro material cortante capaz de produzir lesões ou ferimentos incisos, provocados por pressão ou deslizamento.

O infrator ou responsável legal pelo uso de cerol ficará sujeito à apreensão do material irregular e multa de R$ 500 a R$ 2 mil por cada material apreendido, aplicada em dobro em caso de reincidência.

Uso de cerol em local de trânsito intenso resulta em multa de até R$ 4 mil

A lei que proíbe fabricação de cerol em Goiás ainda estabelece acréscimo de 100% do valor aplicado de multa quando ocorrer o uso do artefato com os materiais cortantes em áreas com trânsito intenso de pedestres e veículos.

A mesma medida também será aplicada quando uso for flagrado na vizinhança de escolas, hospitais, instalações públicas, redes expostas de eletricidade e de telecomunicações.

Também pode haver acréscimo de 50% quando o uso do artefato com os materiais cortantes ocorrer em outra área pública ou comum, sem as características mencionadas anteriormente.

Mortes por cerol em Goiânia

A Guarda Civil Metropolitana registrou oito mortes causadas por cerol somente em Goiânia nos últimos 12 anos. Veja os dados:

  • 2009 – não houve vítima fatal;
  • 2010 – 4 mortes;
  • 2011 – 1 morte;
  • 2012 – não houve vítima fatal;
  • 2013 – 1 morte;
  • 2014 – não houve vítima fatal;
  • 2015 – 1 morte;
  • 2016, 2017,2018, 2019 e 2020 – não houve vítima fatal;
  • 2021 – 1 morte.

(Fonte: GCM)