PUBLI PREFEITURA DE GOIÂNIA CORONA TOPO PREMIUM
Logomarca
Nublado
º
min º max º
CapaJornal
Versão Impressa Leia Agora
Sexta-feira. 29/05/2020
Facebook Twitter Instagram

CIDADES

ECONOMIA

Isolamento provoca queda de até 90% na renda de motoristas de aplicativo

Devido à crise causada pela pandemia muitos trabalhadores tiveram que devolver veículos alugados. Em goiás, devoluções chegam a 70% da frota, segundo entidade nacional

19/05/2020 às 17h30


POR Redação

facebook twitter whatsapp

Motoristas de aplicativo com ganhos semanais de R$ 1,2 mil a R$ 1,5 mil passaram a ter renda média de R$ 600 por semana com a pandemia do coronavírus em Goiânia. A nova realidade faz com que os trabalhadores devolvam carros alugados e tenham dificuldades para pagar as contas básicas. Números da Associação dos Motoristas de Aplicativo de Goiás (Amago) apontam que quedas de rendimento, com as medidas de isolamento social, chegaram a 90% nos últimos dois meses em viagens feitas na Região Metropolitana.

Isolamento social

A Associação Brasileira das Locadoras de Automóveis (Abla) aponta que 80% dos veículos alugados em todo o país já foram devolvidos por motoristas de aplicativo. No estado de Goiás, esse número chega a 70%. A queda é atribuída à diminuição na procura por viagens provocada pelas medidas de isolamento social.

O presidente da Amago, Leidson Alves, aponta que mesmo com a volta do comércio, a situação não melhorou para os motoristas de aplicativo. Um dos motivos apontados por ele é que a maior parte dos deslocamentos na Região Metropolitana é feita por estudantes ou em saída de festas e eventos.

Assim, muitos motoristas foram obrigados a pedir o auxílio emergencial de R$ 600 do Governo Federal. “Muitos fizeram o cadastro antes da determinação de que o auxílio não seria dado aos motoristas. Ainda assim, muitos não conseguiram receber”, aponta.