Logomarca
Nublado
º
min º max º
CapaJornal
Versão Impressa Leia Agora
Sexta-feira. 04/12/2020
Facebook Twitter Instagram

CIDADES

BRASIL

Homem negro é espancado até a morte em supermercado de Porto Alegre

Dois homens, um deles PM, foram presos por agredir e matar João Alberto Silveira Freitas, de 40 anos

20/11/2020 às 09h30


POR Redação

facebook twitter whatsapp

Um homem negro foi espancado e morto por dois homens em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, na noite da última quinta-feira (19), véspera do Dia da Consciência Negra. João Alberto Silveira Freitas, de 40 anos, foi agredido em uma unidade do Carrefour na cidade.

Segundo informações da Brigada Militar, como é chamada a Polícia Militar no Estado, o espancamento começou após a vítima se desentender com uma funcionária do supermercado. A vítima teria ameaçado bater na funcionária, que chamou o segurança.

Os dois suspeitos, um de 24 anos e outro de 30 anos, foram presos em flagrante. Um deles é policial militar e foi encaminhado para um presídio militar. O outro, segurança da loja, está a disposição da Polícia Civil. Os dois poderão ser indiciados por homicídio qualificado.

Em nota, o Carrefour informou que lamenta profundamente o caso e que iniciou uma apuração rigorosa para que os responsáveis sejam punidos. A rede também atribuiu a agressão aos seguranças e anunciou o rompimento de contrato com a empresa responsável.

Leia a nota na íntegra

O Carrefour informa que adotará as medidas cabíveis para responsabilizar os envolvidos neste ato criminoso. Também romperá o contrato com a empresa que responde pelos seguranças que cometeram a agressão. O funcionário que estava no comando da loja no momento do incidente será desligado. Em respeito à vítima, a loja será fechada. Entraremos em contato com a família do senhor João Alberto para dar o suporte necessário.

O Carrefour lamenta profundamente o caso. Ao tomar conhecimento deste inexplicável episódio, iniciamos uma rigorosa apuração interna e, imediatamente, tomamos as providências cabíveis para que os responsáveis sejam punidos legalmente. Para nós, nenhum tipo de violência e intolerância é admissível, e não aceitamos que situações como estas aconteçam. Estamos profundamente consternados com tudo que aconteceu e acompanharemos os desdobramentos do caso, oferecendo todo suporte para as autoridades locais.